terça-feira, 3 de abril de 2012

Desilusões...


Um dia eu amei, ah, amei...
Como não podia amar, ah, amei...
Só depois eu percebia:
Amar sozinho é covardia
Como pude me enganar?

Onde eu vou derramar
O amor que em meu peito há?
É amor de fazer falta o ar
Que não encontro a quem entregar
Como posso acreditar?

Se um dia eu amei, ah, amei...
Como não podia amar, ah, amei...
Um amor de fazer falta o ar
Onde posso derramar?

Só depois eu percebia
Amar sozinho é covardia
E o amor que em meu peito há
Não encontro a quem entregar

Um comentário:

Aline Barra disse...

Camila...

tua poesia tem encontrado tanto eco em mim que minhas palavras nem ousam interromper tal comunicação... De corações!

Abraços!