quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Eu sou um sonhador!


É difícil viver de sonhos, primeiro porque é difícil deixá-los viver. Sim. Os sonhos muitas vezes não sobrevivem à dureza do imperativo "ter que fazer".

Quando somos crianças, nos obrigam a acreditar em papai noel para pouco depois descobrirmos que não, ele não existe, e daí acreditarmos que sonhos não têm fundamento. Nos obrigam a acreditar em bicho-papão para nos assustar, e qual não é nossa surpresa de um dia enxergar o mundo a nossa volta e saber da violência, e que pessoas morrem de fome, de frio, de falta de amor? Nos aprisionam em mentiras para nos esconder da realidade da qual realmente pertencemos e que podemos/devemos mudar. Mas o pior, pior mesmo é quando nos fazem acreditar que por sermos crianças não podemos querer, porque não sabemos o que desejar, e que devemos almejar o que querem pra gente: o melhor. É exetamente aí que matam nossa capacidade de sonhar. Porque o melhor sempre é ganhar mais dinheiro, ter mais poder.

Sonhar - não há tempo para isto. O certo é trabalharmos o dia todo, chegarmos cansados, assistirmos tv e dormir. Dormir um sono bem leve e preocupado, sem tempo para devaneios, afinal de contas, o outro dia virá com mais e mais trabalho, e temos de estar preparados. No tempo 'livre' temos de estar ocupados: Ficar deitado sem fazer nada e pensar; ler um livro, ou um blog de poesia e literatura e pensar; olhar o movimento da rua e pensar - NEM PENSAR!!! Temos que fazer cálculos, planejamentos, gráficos... Sermos matemáticos e administrativos. Temos de cuidar da aparência, da beleza e esconder nosso teto de vidro. A vida está sempre atrasada, tem pressa e deve simplesmente seguir. Mas para onde? Para quê? Por quê? É difícil nadar contra a corrente e dizer: - EU SOU UM SONHADOR! E do outro lado alguém me grita: - Há contas a pagar! MAS EU PRECISO, PRECISO SONHAR!
Vivemos em um mundo opressor. Ou escolhemos ser livres e assumimos a condição essencial da vida que é sonhar ou somos reprodutores estéreis de um cárcere capitalista sufocador.

P.S.: Não venha me dizer: -"tá, isso tudo que você falou é lindo, mas não funciona..." Ao que eu responderei: - "Conhece felicidade? Ela não vem de carro ou carruagem. Tá dentro da gente, e é a gente quem faz!"

3 comentários:

Mima disse...

"reprodutores estéreis de um cárcere capitalista sufocador". Gostei dessa parte.

É isso. Faço-me perguntas constantemente sobre isso. O que se quer é mesmo o bom funcionamento do mundo (trabalhar por um mundo melhor... sério?) ou nossas casas entulhadas de objetos repetidos, falta de comunicação, ganância e crescimento da sensação de que trabalhamos cada vez pela grandiosidade de termos mais e sermos cada vez mais sozinhos?

Eu acho que se as cabeças pensantes desse nosso planeta (abandonado) quisesse a melhoria do mundo, teríamos menos gente trabalhando, mais piqueniques debaixo dos cajueiros, mais tempo uns com os outros, mais trocas, mais gestos, mais toques, mais palavras, mais poemas.

Um grito à liberdade! Um clamor pelo direito de sonhar, de ver desenho em nuvens, de sorrir, de ser poeta. Um assinatura embaixo do direito de trabalhar pouco e viver melhor, por um mundo melhor.

Beijo

Aline Barra disse...

UAU! Isso é pura sincronicidade...
Vc conseguiu gritar a minha dor em alto e belo tom... rsrs**

Também adorei o "reprodutores estéreis de um cárcere capitalista sufocador".

Lhe desejo sonhos. Muitos!!!

Anônimo disse...

"All in all it was just a brick in the wall".
Pink Floyd