sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Volúpia


Tenho horas de ser fogo:
arder e queimar até o fim!

Tenho horas de ser flores:
bálsamo e veludo.

Tenho horas de me consumir e desabrochar
Sem horas e sem dores.

5 comentários:

Mima disse...

Essas são as horas do lado nosso, do dia nosso, de toda mulher. As horas de nosso dia, de nossa estrada e canção. Somos fogo, somos flor, somos música e silêncio. Somos tudo e somos nada. Somos.

Beijinho

Aline Barra disse...

Ando tão carente destas horas
Meu relógio parece ter se perdido
na escuridão de algum dia sem sol...

Tua volúpia me lembrou a 'Lua Adversa' de Cecília.

abraços!

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

tua - volúpia- é maravilhosamente poética

Jeferson Cardoso disse...

É bem assim, somos tudo em apenas um. Linda a maneira como expôs estas facetas! Obrigado por ter ido ao meu blog! Fiquei feliz com sua presença ali. Abraço de blogueiro e bom final de semana inteiro!

Macabea de La Mancha disse...

Obrigada pelas visitas e comentários tão enriquecedores, queridos desta caminhada blogueira!

Abraço da Macabéa!