terça-feira, 4 de outubro de 2011

Sou Quixote



São muitos.
Todos são!
E eu não os invento...

São deuses,
monstros, pesadelos
que reproduzem ecos
pelos meus becos.

Falo da dor, do medo, da solidão...
Dos sentidos e da razão.
E há quem diga que são
Moinhos de vento...
Eu sei que sopram alívios e tormentos
em meu nobre coração.

Mas eu não me acovardo.
Não fujo
e não finjo não terem o tamanho que tem.
Sou Quixote!
E a batalha nunca estará perdida
enquanto eu for.

6 comentários:

Mima disse...

Pelas causas perdidas.

Eu também quero ser Quixote!

Passar por aqui é sempre um bom jeito de aprender a sonhar - pelas causas nobres.

Um abraço, sonhadora.

Mima.

João Evangelista Rodrigues disse...

Olá, obrigado por me seguir .Se quiser, poderá até me alcançar rss. Mande notícias sempre.
Música Inédita feita, por mim, em parceira com Pereira da Viola.
31 94 31 48 21

Quixote

cavaleiro andante
lindo seu castelo
belo seu semblante
seu porte elegante
voa o rocinante
nos campos do céu

seus olhos distantes
gestos cativantes
seu sorriso aberto
passos de gigante
sonhos de papel

triste figurante
guia dos amantes
flecha flamejante
lira dissonante
lua cor de mel

viola de pinho
moinho de vento
o mundo se move
por dentro sozinho
cavalo a galope
inventa o caminho

cavaleiro andante
cego movimento
do sol no horizonte
rasga o véu do tempo
sai do livro e canta

joão evangelista arodrigues

Aline Barra disse...

Não tenho dúvida de quem vencerá esta batalha... Macabéa de La Mancha!

Beijos!

Maxwell Soares disse...

Cara, Macabea.

Estou produzindo uma poesia - já está na agulha - uso, talvez, o maior elemento quixotesco - Stultia. Quando leio Foucault, Schopenhauer, Goethe, Machado e outros é de Cervantes que lembro. Cada momento deste teu blogger fico surpreso com tanta coisa agradável de ler... Um abraço.

Macabea de La Mancha disse...

Tem um Quixote dentro de cada um de nós, é bom saber disso!

Obrigada Mima, João, Aline, Maxwell - vocês mantém a eloquência acesa..

Abraço carinhoso

Guilherme Sakuma disse...

Maravilhoso.